Skip to content

ALGUMAS RECOMENDAÇÕES E PRÁTICAS PARA CENTRO CIRÚRGICO

29 de outubro de 2012

Como uma das grandes preocupações das instituições de saúde no que se refere a qualidade, hoje os gestores de centros cirúrgicos devem ter muito cuidado quando pensam em aumentar sua produtividade. Principalmente aqueles que trabalham literalmente em linha de produção, visto que na prática esta unidade é o grande captador de receita das instituições.

Como nosso objetivo é falar de qualidade e segurança na assistencia, recordaremos algumas das práticas e recomendações que ainda são esquecidas e até mesmo não praticadas as vezes por desconhecimento e inoperância das equipes e muitas vezes por simples achismos de burocracias sem objetividades ou meras formalizações.

Vamos citar aqui alguns exemplos de boas práticas e ou protocolos que são de extrema impotância para a segurança do paciente e da instituição no funcionamento de um centro cirúrgico.

Vocês sabem por exemplo se em sua instituição existe um protocolo de sedação institucional ou isso fica a cargo da equipe em questão? As equipes foram treinadas quanto a algum protocolo de transposição? Existe um protocolo de antibióticoprofilaxia cirurgica? Consta evolução de visita pré anestésica em prontuário? Como é feito o planejamento do cuidado ao paciente durante sua recuperação?

É claro que isso não é o reflexo de muitas instituições que inclusivem demonstram resultados de protocolos de cirurgia segura, adotam critérios de acompanhamento baseado no risco dos pacientes, possuem protocolos de prevenção e controle de infecção, etc… mas espanta quando entramos em uma sala de recuperação anestésica por exemplo e identificamos a ausência de acompanhamento médico (anestesista), monitores desligados, ausência de um protocolo de analgesia e ainda uma imensa oferta e administração de medicamentos sem critério.

Precisamos unir forças e trabalharmos em pró de uma assistencia cirurgica de qualidade, conscientizar cirurgiões, anestesistas e enfermeiro de que a vida daquele paciente foi entregue à equipe que ali se faz presente e que uma simples conferência de nome completo, cirurgia a ser realizada, lateralidade poderá diminuir ou até mesmo evitar danos aos pacientes.

Abaixo link para exemplo de prática de recomendação da OMS.

http://www.youtube.com/watch?v=20KBRy1hYQY

From → Qualidade

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: